ENHANCING QUALITY IN ECEC THROUGH PARTICIPATION

Fim de semana em família com o ”boneco vai-e-vem”

 Objetivos gerais da atividade

Informar os pais sobre as intenções subjacentes à estratégia educativa, de usar um “boneco vai-e-vem”, praticada pelo jardim de infância.
Partilhar com os pais experiências relacionas com as atividades lúdicas dos filhos no jardim de infância, para que assim possam repensá-las e desenvolvê-las tendo em conta a sua própria ontribuição.
Encorajar a partilha entre o jardim de infância e os pais, com o objetivo de fortalecer o conhecimento mútuo, a confiança e o desenvolvimento de uma cultura educativa partilhada.

 Descrição da atividade

Ferramentas como a da presente atividade são usadas pelos educadores no contexto especifico do jardim de infância e têm como objetivos promover: a comunicação entre crianças e adultos; uma participação ativa e regulada da criança em rotinas e atividades; o desenvolvimento da memória individual e coletiva da experiência; e o sentimento de pertença.

As ferramentas são também utilizadas para nutrir uma forma de aprendizagem mediada, sem a intervenção direta de adultos. O “boneco vai-e-vem” é uma desta ferramentas. Pode, por exemplo, ter a forma de um fantoche que represente uma personagem retirada de um livro ou qualquer outra personagem de ficção – pode até ser uma ideia captada através da observação do grupo de crianças.

O boneco, a quem os educadores dão voz, pode ser utilizado para apresentar e acompanhar, através de uma narrativa partilhada, as diferentes atividades didáticas que o jardim de infância oferece às crianças ao longo do dia. Pode assumir o papel de “apresentador” das qparticipam em várias atividades; “organizador” que, por exemplo, identifica a criança que tem como tarefa escolher a canção que todos vão cantar; ou “facilitador” da divisão das crianças em subgrupos para as respetivas atividades educacionais.
O boneco torna-se um companheiro diário, o protagonista na construção de uma narrativa que é partilhada por um grupo específico de crianças.
Nesta dimensão, pode ser entendido como uma ferramenta “organizadora”, que contribui para a organização de momentos e situações no brincar; uma ferramenta “mediadora” na relação entre educadores e crianças; ou uma ferramenta “narrativa”, que tem o número de significados que
o grupo lhe atribui – um conjunto de referências partilhadas que contribuem para a construção de um sentimento de pertença comum e por isso consolidam a identidade do grupo de determinada sala do jardim de infância. A presente prática sugere que o “boneco vai-e-vem” seja também usado em casa com os pais: as famílias são convidadas a recebê-lo durante um fim de semana e, depois de avaliarem o possível impacto da atividade no contexto familiar, juntam o seu nome a uma lista de possíveis datas, previamente criada pelos educadores.

É-lhes pedido que deem liberdade à criança para fazer o que quiser e que documentem a experiência através de fotografias e pequenas anotações escritas.

Segunda feira de manhã, o boneco é devolvido, juntamente com a documentação criada,
que é inserida num álbum. Durante a reunião da manhã, é pedido à criança anfitriã que conte a todos o que fizeram durante o fim de semana em casa.

 Observações

(questões a ter em consideração ao implementar a atividade)

A prática requer que se utilize um “boneco vai-e-vem” para ser usado como ferramenta organizadora pelo grupo.
O potencial impacto no contexto familiar deve ser avaliado, em particular se existe a possibilidade de que a criança ou irmãos sintam que o boneco invade o seu espaço.
Na reunião com as crianças, da parte da manhã, deve também ser tida em consideração a hipótese de haver famílias que não concordam em participar na atividade.

 Papel do educador

  • Apresentar o uso do boneco como ferramenta de organização;
  • Propor que as famílias levem a o boneco para casa durante o fim de semana, se e quando tiverem disponibilidade;
  • Preparar um quadro que permita gerir a atividade de forma correta e de modo a que todos possam desfrutar da mesma;
  • Depois do fim de semana, ouvir a criança falar sobre os dias em que teve o boneco em casa e facilitar a sessão, encorajando-a a partilhar a experiência com os colegas.

Papel da família

A tarefa da família é “entrar na brincadeira”, honrando o compromisso de receber o boneco em sua casa e documentando a experiência.

 Valor acrescentado para a criança e família

  • Aproximação entre dois cenários distintos, casa e jardim de infância, através de um objeto simples que incentiva a reunir histórias e experiências de ambos os contextos.
  • A atividade fortalece o conhecimento mútuo, solidifica a relação e aumenta a confiança entre a família e o jardim de infância.

Materiais a utilizar

  • Boneco (por exemplo um fantoche)
  • Álbum onde juntar a documentação trazida pelos pais.

Questões para refletir sobre a melhoria geral do serviço

  • A prática dá resposta às necessidades que a geraram?
  • De que forma é que a prática melhorou o envolvimento parental?
  • Em que medida é que a prática melhorou o desenvolvimento profissional da equipa?
  • Como é que a prática afetou a relação de confiança com os pais?

Parceiros